quinta-feira, 27 de novembro de 2014

ENSAIO SOBRE A INTENTONA COMUNISTA DE 1935

Ao completar 79 anos da INTENTONA COMUNISTA a Associação dos Militares da Reserva de Três Corações - ASMIR, publica em seu Blog um ensaio sobre aquele que foi o maior ato de traição e covardia já perpetrados na História do Brasil.

Poucos conhecem seus nomes. Eles morreram na madrugada de 27 de novembro de 1935. Não em combate, mas covardemente assassinados. Alguns dormindo...

Durante todos estes anos, suas famílias, em silêncio resignado, reivindicaram dos governantes, a não ser um mínimo de coerência, a fim de que pudessem acreditar que eles não morrerem em vão.

MORTOS NA INTENTONA COMUNISTA DE 1935

01. Abdiel Ribeiro dos Santos - 3º Sargento
02. Alberto Bernardino de Aragão - 2º Cabo
03. Armando de Souza Mello - Major
04. Benedicto Lopes Bragança - Capitão
05. Clodoaldo Ursulano - 2º Cabo
06. Coriolano Ferreira Santiago - 3º Sargento
07. Danilo Paladini - Capitão
08. Fidelis Batista de Aguiar - 2º Cabo
09. Francisco Alves da Rocha - 2º Cabo
10. Geraldo de Oliveira - Capitão
11. Jaime Pantaleão de Moraes - 2º Sgt
12. João de Deus Araújo - Soldado
13. João Ribeiro Pinheiro - Major
14. José Bernardo Rosa - 2º Sargento
15. José Hermito de Sá - 2º Cabo
16. José Mário Cavalcanti - Soldado
17. José Menezes Filho - Soldado
18. José Sampaio Xavier - 1º Tenente
19. Lino Vitor dos Santos - Soldado
20. Luiz Augusto Pereira - 1º Cabo
21. Luiz Gonzaga - Soldado
22. Manoel Biré de Agrella - 2º Cabo
23. Misael Mendonça -T.Coronel
24. Orlando Henrique - Soldado
25. Pedro Maria Netto - 2º Cabo
26. Péricles Leal Bezerra - Soldado
27. Walter de Souza e Silva - Soldado
28. Wilson França - Soldado

Aos heróis que tombaram, neste triste episódio que ceifou suas vidas, na covarde tentativa de implantar o comunismo no Brasil fica aqui a nossa homenagem, respeito, e profundo agradecimento.


INTENTONA COMUNISTA


Tendo em vista os acontecimentos que vem assolando o Brasil, a ASMIR, com o intuito de orientar aos cidadãos de bem, está fazendo publicar um condensado sobre a Intentona Comunista de 1935, resgatando a lacuna sobre este evento criada por falsos brasileiros que insistem em ocultar a verdadeira história de nossa Pátria.

Esperamos assim estar contribuindo para a formação intelectual de nossos irmãos brasileiros, publicando a verdade sobre aquela que foi uma tentativa suja de implantação de um regime podre em essência, e que não se coaduna com as aspirações sócio-político-econômicas de nosso povo.

Diretoria da ASMIR

01 - O SIGNIFICADO

Intento louco, maluco. Conluio ou tentativa de motim ou revolta. Palavra condenada pelos comunistas na tentativa de negar a derrota sofrida no Brasil em novembro de 1935: “pior que um crime, foi um erro”.

02 - ANTECEDENTES HISTÓRICOS

Após a 1ª Guerra Mundial (1914/1918) o mundo já se debatia entre os adeptos de direita e esquerda, herança ainda da Revolução Francesa do Século 18. A Europa vivia a efervescência das novas e velhas teorias políticas, influenciando também a Nação Brasileira e seus patriotas que almejavam transformações sociais para o povo inculto e analfabeto; o fim das oligarquias desobstruindo os canasi de ascensão da classe média; o voto secreto; o término da política do “café com leite”; a presença de uma legislação mais eficiente e de um Judiciário mais atuante; a melhora do sistema educacional. Eram aspirações legítimas, mas havia um perigo. O mundo caminhava para o totalitarismo nazifascista ou comunista, crescendo no Brasil essas duas tendências opostas.

Lênin, em 1919 criou o KOMONTERN (III Internacional Comunista) para levar ao resto do mundo os “benefícios” a todos os trabalhadores de usufruírem o Socialismo, o Comunismo. Com sua morte, STALIN prosseguiu na missão, baseando-se na repressão e nos campos de concentração siberianos. Foi a fase do Terror Stalinista e da expansão do modelo russo com a criação das “frentes amplas”.

Para os russos, a América Latina era um teatro secundário e vulnerável para a experiência de expansão do Comunismo, atrás da CHINA-INDIA e INDONÉSIA – julgada semicolônias do imperialismo britânico e norte-americano, com independência apenas formal. Recomendavam expressamente:
– usar “sovietes” no campo;
– formar grupos armados entre operários;
– coordenar camponeses, operários, classe média e burguesia nacional contra o “czarismo brasileiro”, sob o qual entendia naquela época, haver semelhança com as “oligarquias da República Velha”.

Julgavam que as experiências da Coluna Prestes seriam importantes para que ela, renascida, seria capaz de conduzir a pequena burguesia na revolução pretendida que, reiterava, poderia usar os “Cangaceiros”...

Em 08 de junho de 1934, a Comissão Política de Controle da II Internacional aprovou Luiz Carlos Prestes como membro do Comitê Executivo, e o chinês CHENSHAO-YU, codinome YAN MIN ficaria em MOSCOU para supervisionar as operações no Brasil, em 1935...

Em 1943 o KOMINTERN foi extinto.

03 - O PLANO SOVIÉTICO

Traçado em MOSCOU, entre abril e maio de 1934 pelo KOMINTERN (III INTERNACIONAL) criado por Lenin em 1919 para levar a revolução comunista ao restante do mundo.
Luiz Carlos Prestes deveria ser o caudilho visível e o chefe aparente do movimento, que não deveria começar como “ação comunista”, mas sim uma “insurreição nordestina” do tipo “nacionalista” contra o ditador Getulio Vargas. Teria a mobilidade da “Coluna Prestes”. Inicialmente faria “agitação e propaganda armada” visando organizar um verdadeiro “Exército Popular Guerrilheiro”, cujo raio de ação se ampliaria com o aumento de seus efetivos e potencial ofensivo. Incluía até a escalação de elementos estrangeiros que constituiriam o “centro nevrálgico” da operação responsável pelas COMUNICAÇÕES-FINANÇAS e CONTROLE de toda a rede da América do Sul

04 - EVOLUÇÃO DOS ACONTECIMENTOS

– 12 de março de 1935 – Após intensa agitação conseguiram os comunistas aprovar o ESTATUTO da Aliança Nacional Libertadora (ANL) frente ampla dos comunistas descontentes e simpatizantes esquerdistas de âmbito nacional.
– Em 30 de março de 1935 – Por proposta do jovem estudante comunista CARLOS LACERDA, Luiz Carlos prestes é eleito Presidente de Honra da ANL por aclamação, no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro. Curiosamente, em nenhum desses momentos se tocou nas teses comunistas/marxistas.
Os Comunistas foram os maiores incentivados na ANL, mas a maior parte dos fundadores dessa “frente ampla” não pertencia ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). Seus articuladores eram, sobretudo, os militares ligados ao “tenentismo” ou civis da classe média.

FRENTES POPULARES daquela época:
- de repúdio à dívida externa;
- nacionalização do capital estrangeiro;
- direitos civis;
- governo popular;
- repartição dos latifúndios entre camponeses pobres; etc.

NOVOS MÉTODOS de AGITAÇÃO POLÍTICA:
– Marchas, Comícios, Criação de Células em diferentes  camadas sociais e de grupos profissionais deixavam muito claro, também, ser imprescindível o apoio dos militares.
– Em 4 de abril de 1935 – o Governo Federal conseguiu aprovar a Lei de Segurança Nacional nº 38, para combater o Comunismo.
– Em 5 de julho de 1935 – o PCB concitou que as “massas” fizessem a revolução.
– Em 11 de julho de 1935 – o Decreto nº 229 dissolveu o PCB e as entidades paralelas que agitavam o país.
– Em 13 de agosto de 1935 – a Polícia do Rio de Janeiro apreendeu documentos no edifício sede do PCB constatando o papel do KOMINTERN no financiamento do movimento. Daí em diante os comunistas não puderam mais agir legalmente.
– Em 23 de novembro de 1935 – Natal/RN – No 21º BC, quando Sargentos, Cabos, Soldados e rebeldes civis dominaram o Oficial de Dia e se apoderaram de armamento da unidade militar.
As autoridades civis refugiaram-se no Consulado Chileno, e o Comandante do 21º BC e da PM tentaram resistir mas renderam-se na manhã de 24 de novembro por falta de munições. Houve saques e arrombamentos, mas os rebeldes foram dominados por DINARTE MARIZ, chefe político da região do SERIDÓ.
– Em 24 de novembro de 1935 – Recife-Olinda/PE – No 29º BC e no QG/7ªRM o Sargento GREGORIO BEZERRA feriu o Tenente AGUINALDO PEREIRA e matou o Tenente JOSÉ SAMPAIO XAVIER, tendo sido preso.
Ao final, no Nordeste foram constatadas 720 mortes.
– Em 27 de novembro de 1935 – Eclodiu o movimento no Rio de Janeiro:
No 3ºRI na Praia Vermelha, com 19 mortos e 127 feridos.
Na Escola de Aviação Militar – Campo dos Afonsos, onde morreram três oficiais.
A Intentona provocou a EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 1 – de 12 de dezembro de 1935 – que criou o “estado de guerra”, pelo qual o Executivo acumularia maiores poderes. Seguiram-se duas EMENDAS que permitia o Governo cassar patentes de oficiais da ativa, reserva ou reformados, e também autorizava a demitir qualquer funcionário público civil envolvido em rebelião. Instituía o TRIBUNAL DE SEGURANÇA NACIONAL para julgar de maneira mais rápida os envolvidos em crimes subversivos.

05 - OS AGENTES ESTRANGEIROS

Arthur Ewert.jpg
ARTHUR ERNST EWERT, alemão, codinome HARRY BERGER e sua mulher ELISE SABOROVSKI, codinome SABO, canadense de origem polonesa, também ativista do PC Alemão.
Sua missão era dirigir com Luiz Carlos Prestes o levante de 1935, em razão de sua experiência em CANTÃO, CHINA.
JOHAN (JONNY) DE GRAAF, alemão, codinome FRANZ GRUBER e sua mulher ERNA, também alemã.
Missão: Treinamento de grupos especiais para sabotagem e formação de combatentes para lutas de rua.
PAVEL VLADIMIROVICH STUCHEVSKI e sua mulher SOFIA SEMIONOVA STUCHEVSKI, ucranianos com os codinomes dos belgas: LEON-JULES VALÉE e ALPHONSINE, família judia, recebeu vistos de entrada no Brasil em março de 1935.
RODOLPHO GHIOLDI, secretário do partido comunista argentino e sua mulher CARMEM ALFAYA, argentina.
Dirigia o BUREAU SULAMERICANO, centro nevrálgico da operação brasileira, para COMUNICAÇÕES, FINANÇAS e CONTROLE.
AMELTO LUCATELI, codinome BRUNO, italiano.
Missão: Agitar São Paulo.
OLGA BENÁRIO, judia alemã.
Missão: Proteção de LC PRESTES até eclosão do movimento insurrecional no NORDESTE.
Cartas enviadas por ela à LC PRESTES e família, arquivadas em MOSCOU e o seu envolvimento com o líder comunista brasileiro, fizeram dela personagem especial, também no Brasil, além da Alemanha e RUSSIA.
Nasceu em MUNIQUE em 1908, aos 15 anos, por incompatibilidade com a família foi para BERLIM ingressando na JUVENTUDE COMUNISTA, na clandestinidade.
Seu pai era advogado e membro ativo do PARTIDO SOCIAL DEMOCRÁTICO, ferrenho inimigo do PC Alemão.
OTTO BRAUM, do PC Alemão, seu namorado, facilitou sua ida para a Rússia, com passaporte alemão e nome de FRIDA LEUCHNER.
Pouco tempo de atividades levaram-na para o IV Departamento do Estado-Maior do Exército Vermelho (espionagem militar).
Trabalhou no Secretariado do Komsomol, Juventude Comunista Internacional. Teve treinamento na Força Aérea Soviética e cumpriu missões na Inglaterra e em Paris.
Em 1930 informou aos arquivos de MOSCOU que era casada com o russo B.P. NIKITIN, Secretário do Comitê do KOMSOMOL na Academia Militar FRUNZE.
LC Prestes informou que a gravidez foi consequência depois desse rompimento.

06 - CRIMES DO COMUNISMO

Números de um balanço aproximado que dão a dimensão da grnadeza e permite sentir a gravidade do assunto:
  1. URSS, 20 milhões de mortos
  2. CHINA, 65 milhões de mortos
  3. VIETNÃ, 1 milhão de mortos
  4. COREIA DO NORTE, 2 milhões de mortos
  5. CAMBOJA, 2 milhões de mortos
  6. LESTE EUROPEU, 1 milhão de mortos
  7. AMÉRICA LATINA, 150.000 mortos
  8. AFRICA, 1,7 milhões de mortos
  9. AFGANISTÃO, 1,5 milhões de mortos
  10. MCI e Partidos Comunistas fora do poder, 10 milhões de mortos.

TOTAL: Aproximadamente 100 milhões de mortos

Além da questão da responsabilidade direta dos comunistas no poder, coloca-se a questão da cumplicidade, conselho, ajuda e encorajamento.

Centenas de milhares de homens engajaram-se nas fileiras da Internacional Comunista, nas seções gerais do “Partido Mundial da Revolução”.

“O verdadeiro comunista não tem família nem pátria, aliás tem: sua família e sua pátria é o comunismo.”

Será que é por isso que eles matam até seus próprios companheiros de partidos que protestarem sem um mínimo de complacência, decoro ou moral?

07 - INDAGAÇÕES

1) O segredo, todos sabem, é uma estratégia de defesa que as organizações comunistas e seus membros seguem à risca. Não admitem o seu objetivo de implantação do comunismo, regime de partido único, ditadura do proletariado. Por quê?

2) O Comunismo, desde 1917, quase que imediatamente origina-se em ditadura sangrenta e depois em regime criminoso. Seus objetivos não poderiam ser atingidos senão através da mais extrema violência? Como explicar que o crime tenha sido considerado e praticado pelo poder comunista como medida banal, normal, ordinária, e isto durante décadas? Como explicar que uma ideologia que se propunha a criar o homem  novo e uma sociedade livre de injustiças deu lugar aos massacres e a opressão em escala jamais vista na HISTÓRIA?

3) Por que, no Brasil o assunto desapareceu da mídia? Desinformação? Censura? Como classificar o fato?

08 - O DECÁLOGO DE LÊNIN

Escrito por Lênin em 1913, o “Decálogo de Lênin” indica algumas estratégias para a tomada do poder pelos comunistas:
  1. Corrompa a juventude e dê-lhe liberdade sexual;
  2. Infiltre e depois controle todos os veículos de comunicação de massa;
  3. Divida a população em grupos antagônicos, incitando-os a discussões sobre assuntos sociais;
  4. Destrua a confiança do povo em seus líderes;
  5. Fale sempre sobre Democracia e em Estado de Direito, mas, tão logo haja oportunidade, assuma o Poder sem nenhum escrúpulo;
  6. Colabore para o esbanjamento do dinheiro público; coloque em descrédito a imagem do País, especialmente no exterior e provoque o pânico e o desassossego na população por meio da inflação;
  7.  Promova greves, mesmo ilegais, nas indústrias vitais do País;
  8.  Promova distúrbios e contribua para que as autoridades constituídas não as coíbam;
  9.  Contribua para a derrocada dos valores morais, da honestidade e da crença nas promessas dos governantes. Nossos parlamentares infiltrados nos partidos democráticos devem acusar os não-comunistas, obrigando-os, sem pena de expô-los ao ridículo, a votar somente no que for de interesse da causa socialista;
  10.  Procure catalogar todos aqueles que possuam armas de fogo, para que elas sejam confiscadas no momento oportuno, tornando impossível qualquer resistência à causa...
Será que é isso que você quer deixar como legado para seus filhos e netos?

09 - DE BERTOLD BRECHT, A MEDIDA PUNITIVA

“Quem luta pelo comunismo tem de poder lutar, e não lutar; dizer a verdade e não dizer a verdade; prestar serviços e negar serviços; manter a palavra e não cumprir a palavra; enfrentar o perigo e evitar o perigo; identificar-se e não identificar-se. Quem luta pelo comunismo tem de todas as virtudes apenas uma: a de lutar pelo comunismo.” (Bertold Brecht)




(Publicado originalmente no Blog da ASMIR de Três Corações)

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Há valores e limites que não podem ser desprezados ou ultrapassados


Caros amigos

Na página 141 do livro “O PILOTO DE HITLER”, de C. G. Seeting, lê-se o seguinte:

“A única organização poderosa o bastante para depor Hitler era composta pelas Forças Armadas alemãs. Os líderes militares alemães não destronaram Hitler, apesar de a maioria certamente ter percebido que isso era necessário, em 1942. Apegando-se ao voto de lealdade e à tradição de atividade não política, os líderes militares permitiram que o Feldsherr (comandante em chefe) amador lançasse uma guerra e comandasse desde grandes campanhas até a ação de unidades pequenas, apesar de saberem que Hitler era inadequado por formação e temperamento para servir como comandante supremo.”

 Mesmo considerando que as circunstâncias sejam outras e que esse não seja o tipo de ameaça que paira sobre o Brasil, cumpre analisar o texto sob a influência do pensamento de outro conhecido chanceler alemão, Otto von Bismarck: “Os tolos dizem que aprendem com os seus próprios erros; eu prefiro aprender com os erros dos outros“.

Assim, segundo Bismarck, para que não façamos papel de tolos, devemos aprender, o quanto antes, que para tudo deve haver limites e atitudes que os façam ser respeitados, particularmente quando a sua ultrapassagem põe em risco o futuro da Nação ou ameaça quebrar compromissos assumidos com a Pátria ou, ainda, valores como a honra e o pundonor.

 É preciso que erros – como dar poder além do devido a pessoas despreparadas, aceitar o acobertamento da malversação e da apropriação indevida de recursos públicos ou aceitar imposições descabidas de quem não tem escopo moral nem legal para fazê-lo – sirvam de lições para todos nós, brasileiros, de forma que aprendamos a fazer com que  os valores e os limites, claramente estabelecidos na Constituição Federal e em estatutos não menos importantes, sejam muito bem conhecidos e lembrados aos que imaginam ser possível desprezá-los e ultrapassá-los impunemente.


O conhecimento da história deve servir, portanto, de antídoto à repetição de erros, nossos e dos outros, assim como a incomplacente exigência de respeito aos limites estabelecidos para o poder deve servir de prevenção contra novos e não menos danosos desastres!

'O que pode parar o Brasil é a roubalheira'



O colunista de VEJA, Augusto Nunes, afirma a Joice Hasselmann, no 'Aqui entre Nós', que a presidente Dilma Rousseff bate um recorde atrás do outro no quesito escândalo. Dessa vez, a novidade é 'propina com recibo' pago por empreiteira no caso Petrolão. Ele comenta ainda as trapalhadas sem fim de Dilma para compor a equipe economica que é preciso estancar a roubalheira para o país voltar a crescer.

Bolsonaro: Alerta aos Comandantes Militares



Diante de dezenas de Oficais Generais da ativa, o Deputado Jair Bolsonaro, em pronunciamento na Sessão Solene em Homenagem aos 70 Anos do Embarque da Força Expedicionária Brasileira, definiu a Comissão da Verdade de Dilma Rousseff: ”As prostitutas canonizam a cafetina”.

'Dois polos não tão afinados na equipe econômica'



VEJA desta semana traz a informação de que Dilma e Lula poderiam ter interrompido o Petrolão, se quisessem. No dia 29 de setembro de 2009, a então ministra da Casa Civil, hoje presidente, foi avisada por Paulo Roberto Costa que o Tribunal de Contas da União havia recomendado ao Congresso a imediata paralisação de três grandes obras da estatal. O colunista Lauro Jardim diz que, até segundo ordem, Joaquim Levy ("liberal clássico") e Nelson Barbosa ("ponto intermediário entre o mercado e o dilmismo puro") vão ser os cabeças da equipe econômica a partir de 2015.

Ainda as eleições: ...NÃO FAÇA COMO EU FAÇO!!!

O PT fez críticas e tentou desqualificar a ação do PSDB de solicitar uma auditoria sobre sistemas eleitorais de 2014. Considerando como absurda a solicitação, alguns  PTistas chegaram a dizer que seria um “golpe eleitoral” e que o PSDB estaria querendo “ganhar no tapetão”.

DEU NO JORNAL:

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL PEDE CASSAÇÃO DO REGISTRO DE PEZÃO

"O Ministério Público Eleitoral (MPE) deu parecer favorável à cassação do registro da candidatura do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão. O documento foi assinado, no último dia 12, pelo procurador regional Eleitoral auxiliar Maurício da Rocha Ribeiro e divulgado hoje (21). O crime eleitoral que a campanha de Pezão cometeu, segundo o MPE, foi a utilização do chamado "gabinete itinerante", uma espécie de governo avançado, instalado em diversas comunidades para atender às demandas da população. O parecer deverá ser apreciado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

No parecer à ação proposta por Lindbergh Farias, então candidato pelo PT, Ribeiro detalhou a questão. “Narra o autor que o candidato Pezão, à frente do governo do estado do Rio de Janeiro, criou o programa social “gabinete itinerante”, em ano eleitoral, sem previsão orçamentária, com a finalidade de promover, pessoalmente, a imagem do governador no cenário político-eleitoral, sob o argumento de que o referido programa teria como objetivo ouvir as reivindicações da população.”

O que ainda não caiu a ficha é que além do fato de Pezão ser do partido do Vice-Presidente da  República, portanto do partido que dá sustentação à atual governanta (PMDB), a quem interessaria a impugnação da candidatura de Pezão, já que o Pastor Crivela aceitou tacitamente o resultado das urnas, e, uma vez que "Lindinho" amargou uma 4ª colocação no primeiro turno das eleições de 2014 para o governo do Rio de Janeiro?

Parafraseando o “VELHO DITADO”, para alinhá-lo à concepção da realidade PTista...
  
“NÃO FAÇA O QUE DIGO, NEM TAMPOUCO FAÇA COMO FAÇO!!!”
  

(Com matéria da Agência Brasil)


Aloysio Nunes: 'Dilma comete crime de responsabilidade e abre caminho para impeachment'



O senador Aloysio Nunes disse em entrevista à TVEJA que a oposição vai trancar a pauta e impedir a votação no texto que altera a LDO para eliminar a meta de superávit de 2014. Mas segundo o parlamentar, ainda que a lei seja alterada o crime já foi cometido. “No rigor da lei há motivos para processo de impeachment de qualquer forma”, afirmou o senador. Ele conversou no Direto ao Ponto com Joice Hasselmann.

domingo, 23 de novembro de 2014

E-mails provam que Lula e Dilma poderiam ter interrompido o propinoduto


Paulo Roberto Costa e Dilma RousseffO doleiro Alberto Youssef disse à Justiça que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras. Agora, mensagens encontradas pela PF em computadores do Planalto mostram que eles poderiam ter interrompido o propinoduto, mas, por ação ou omissão, impediram a investigação sobre os desvios.

Antes de se revelar o pivô do petrolão, o maior escândalo de corrupção da história contemporânea brasileira, o engenheiro Paulo Roberto Costa era conhecido por uma característica marcante. Ele era controlador e centralizador compulsivo. À frente da diretoria de Abastecimento e Refino da Petrobras, nenhum negócio prosperava sem seu aval e supervisão direta. Como diz o ditado popular, ele parecia ser o dono dos bois, tamanha a dedicação. De certa forma, era o dono — ou, mais exatamente, um dos donos —, pois já se comprometeu a devolver aos cofres públicos 23 milhões de dólares dos não se sabe quantos milhões que enfiou no próprio bolso como o operador da rede de crimes que está sendo desvendada pela Operação Lava-Jato. Foi com a atenção aguçada de quem cuida dos próprios interesses e dos seus sócios que, em 29 de setembro de 2009, Paulo Roberto Costa decidiu agir para impedir que secassem as principais fontes de dinheiro do esquema que ele comandava na Petrobras. Costa sentou-se diante de seu computador no 19º andar da sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, abriu o programa de e-mail e pôs-se a compor uma mensagem que começava assim:

“Senhora ministra Dilma Vana Rousseff...”.

O que se segue não teria nenhum significado mais profundo caso fosse rotina um diretor da Petrobras se reportar à ministra-chefe da Casa Civil sobre assuntos da empresa. Não é rotina. Foi uma atitude inusitada. Uma ousadia. Paulo Roberto Costa tomou a liberdade de passar por cima de toda a hierarquia da Petrobras para advertir o Palácio do Planalto que, por ter encontrado irregularidades pelo terceiro ano consecutivo, o Tribunal de Contas da União (TCU) havia recomendado ao Congresso a imediata paralisação de três grandes obras da estatal — a construção e a modernização das refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, e Getúlio Vargas, no Paraná, e do terminal do Porto de Barra do Riacho, no Espírito Santo. Assim, como quem não quer nada, mas querendo, Paulo Roberto Costa, na mensagem à senhora ministra Dilma Vana Rousseff, lembra que no ano de 2007 houve solução política para contornar as decisões do TCU e da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.

Também não haveria por que levantar suspeitas se o ousado diretor da Petrobras que mandou mensagem para a então ministra Dilma Rousseff fosse um daqueles barnabés convictos, um “caxias”, como se dizia antes nas escolas e no Exército de alguém disposto a arriscar a própria pele em benefício da pátria. Em absoluto, não foi o caso. Paulo Roberto Costa, conforme ele mesmo confessou à Justiça, foi colocado na Petrobras em 2004, portanto cinco anos antes de mandar a mensagem para Dilma, com o objetivo de montar um esquema de desvio de dinheiro para políticos dos partidos de sustentação do governo do PT. Ele estava ansioso e preo­cupado com a possibilidade de o dinheiro sujo parar de jorrar. É crível imaginar que em 29 de setembro de 2009 Paulo Roberto Costa, em uma transformação kafkiana às avessas, acordou um servidor impecável disposto a impedir a paralisação de obras cruciais para o progresso da nação brasileira? É verdade que às vezes a vida imita a arte, mas também não estamos diante de um caso de conversão de um corrupto em um homem honesto da noite para o dia.

Neo-religião verde excogita ritos fúnebres “ecologicamente corretos”

Por Luis Dufaur

Modelo para a "biocremação"
Modelo para a "biocremação"
A Bélgica e a Holanda querem aprovar um processo para dissolver os corpos humanos num rito fúnebre “ecologicamente correto” que substituiria o enterro, noticiou o jornal de Londres “The Telegraph”.

O rito da “biocremação”, conhecido tecnicamente como hidrólise alcalina, é apresentado como mais ‘reintegrador’ ao meio ambiente e já está em uso em algumas partes dos EUA e do Canadá.

Trata-se de dissolver o corpo do falecido utilizando uma solução quente à base de água alcalina submetida a altas pressões e temperaturas. O processo não deixaria escassas cinzas do finado e o líquido resultante seria ‘devolvido’ à natureza, ou vertido no esgoto.

A prática é ilegal nos dois países, mas já há iniciativas nos respectivos legislativos. Ativistas verdes também pressionam para obter uma aprovação da Comissão Europeia, chefatura suprema da UE.

A primeira biodegradação aconteceu em 2011, na Florida, e desde então teria sido escolhida por cerca de três mil pessoas nos EUA.

Bruno Quirijnen, do Serviço Fúnebre Flamengo, elogiou o sistema pelo fato de decompor inteiramente o corpo. “Se é verdade que o impacto ecológico é menor, então parece ser a opção lógica”, disse ao jornal Het Belang de Limburg. 

Ele elogiou a economia de energia e a redução das emissões de CO2 e de mercúrio, além da preservação da terra, consumida pelos enterros tradicionais.

Nos países cristãos, o enterro e a guarda dos túmulos derivam da verdade de Fé.

Esta é professada, por exemplo, no Credo católico, segundo o qual as almas vão se unir novamente aos corpos na Ressurreição no fim dos tempos, e assim vão comparecer no Juízo Final. Almas e corpos novamente reunidos irão para o Céu Empíreo – no caso dos que se salvarem –, e para o inferno – no caso dos réprobos.

O ateísmo, e especialmente o panteísmo, negam essa verdade fundamental, e pregam que o homem não é senão matéria na qual ele se dissolve, para retornar em termos “ecologicamente corretos” à natureza.

A neo-religião ambientalista e panteísta está aplicando agora suas últimas consequências aos mortos. Amanhã será com os vivos “excedentes” do planeta, segundo suas mórbidas teorias referidas em numerosos posts deste blog que pregam uma drástica diminuição da população da terra para “salvar o planeta”.



sábado, 22 de novembro de 2014

Bolsonaro: Venezuela e o MST



Bolsonaro questiona Ministro de Estado das Relações Exteriores e fala sobre avanço do comunismo no Brasil financiado pelo próprio governo brasileiro.

Constrangedor! BRASIL advertido por não combater o TERRORISMO!



O Grupo de Ação Financeira Contra a Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo (Gafi), órgão internacional intergovernamental, advertiu o Brasil por se omitir nesse assunto. (E isso que quando a advertência aconteceu Dilma ainda não havia se atravessado, na ONU, em favor do diálogo com os degoladores do Estado Islâmico). Temos que repetir, diariamente,: "Eles não são o Brasil! Eles são, infelizmente, o governo brasileiro!"

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Saiba onde estão as crianças mais inteligentes do mundo


Ladrões - Está revelando o verdadeiro Brasil


MP entra com ação no TCU e pede inidoneidade a todas as empreiteiras do Petrolão



O Ministério Público de Contas protocolou nesta sexta-feira, 21, no TCU, pedido para que todas as empreiteiras pegas na operação Lava Jato sejam declaradas inidôneas. Em entrevista exclusiva à TVEJA, o Procurador do Tribunal de Contas da União, responsável pela ação, Júlio Marcelo de Oliveira, explica que a lei exige que as empresas envolvidas em corrupção sejam proibidas de contratar com o governo. Segundo ele, o discurso de que o “Brasil para” se as empreiteiras forem afastadas é uma falácia.